As alianças de casamento simbolizam a união e o compromisso selado pelos noivos. Mas você como surgiu essa tradição? A gente conta pra você!

No dicionário, a palavra aliança significa “pacto, tratado, união”. E o casamento é isso também, um pacto de união entre duas pessoas que se amam e pretendem viver juntos. Por isso, os anéis trocados pelos noivos no dia do sim são chamados de alianças. Mas você sabe como e quando teve início esse costume? Há várias lendas e curiosidades sobre isso e todas tem significados lindos! A gente conta aqui algumas delas.

Origem

A palavra aliança vem do latim “alligare”, que quer dizer “compor, ligar-se a”. No português medieval, a palavra ganhou o sentido o significado de comprometimento mútuo e, a partir do século XIII, a palavra aliança passou a representar também o laço matrimonial. Atualmente, a aliança não é usada somente para casamentos. Há aliança de namoro, de noivado… E todas representam, além da união, o romantismo. Mas nem sempre foi assim e há várias histórias que falam sobre o assunto.

Uma dessas histórias diz que há cerca de 3.000 anos antes de Cristo, egípcios e hindus já usavam anéis para marcar a união entre pessoas. O motivo é que o formato circular do anel, sem emendas, representava o infinito, um laço eterno de amor.

Alexandre, o Grande, rei da Macedônia e que dominou territórios no Egito e na Grécia, foi o responsável por levar o costume de trocar alianças de casamentos para os gregos e, posteriormente, aos romanos. E a partir do século IX, a Igreja Católica adotou a aliança como símbolo de união e fidelidade entre os casais cristãos. Assim, a troca de alianças passou a fazer parte da cerimônia religiosa, como acontece até hoje no mundo ocidental.

O dedo da aliança

Você sabe por que a aliança de casamento é usada no dedo anelar da mão esquerda? Uma história muito contada diz que gregos e romano, quando se casavam, colocavam um anel no terceiro dedo da mão esquerda porque acreditavam que nele passava uma veia que seguia direto para o coração. Tão romântico, não é mesmo? Mas a ciência descartou a existência dessa veia. Nessa época, as alianças eram feitas de ferro imantado, simbolizando a atração entre os noivos. Hoje, elas são feitas normalmente de ouro, por ser um metal nobre e simbolizar a riqueza e valor do amor.

E também há uma explicação oriental sobre isso. Segundo a cultura chinesa, cada representa um membro da família. O polegar representa os pais, o indicador representa os irmãos, o médio representa você, o anelar representa o seu companheiro e o mínimo representa os filhos. E quando juntamos as mãos com os dedos esticados, é possível separar cada par de dedos com facilidade, exceto os dedos anelares. Ou seja, você pode se separar dos seus pais, dos seus irmãos, mas não vai se separar do seu companheiro. Assim, a aliança no dedo anelar representa que o casamento será uma união eterna.

O anel de noivado

Há registros de que o anel de noivado só começou mesmo a ser usado a partir de 860 depois de Cristo, por decreto do Papa Nicolau I. Os noivos teriam que presentear as noivas com um anel para que ele servisse como uma demonstração pública e obrigatória do compromisso entre eles. Assim, a donzela que usasse um anel no dedo anelar da mão direita não poderia ser cortejada por outros homens, pois já estava comprometida.  Quando os noivos enfim se casassem, o anel passaria a ser usado na mão esquerda. Acredita-se que o primeiro anel de noivado foi dado pelo rei da Alemanha, Maximiliano I, a Maria Burgundy em 1447.

Namoro e compromisso

Já as alianças de namoro ou anéis de compromisso são praticamente novidades. Só passaram a ser usados a partir dos anos 50. Houve uma época em que saiu de moda e os casais já não usavam, porém, hoje em dia é comum que namorados troquem alianças. Porém, hoje elas são de prata ou de materiais mais simples e são usadas na mão direita, como as alianças de noivado.